lo 10 Coisas Que Você Precisa Saber Sobre Hipertensão - cardiosul

Segundo os dados do  Ministério da Saúde, 24,3% dos brasileiros sofrem de pressão

alta. Entre os idosos, esse percentual é ainda maior, equivalendo a uma para cada duas

pessoas.

 

Em geral, as pessoas com hipertensão arterial precisam verificar os níveis de sua

pressão de 2 a 4 vezes por dia. Vale lembrar que o diagnóstico da hipertensão somente

pode ser feito por um médico. Em todos os casos, os cuidados com a saúde devem ser

diários. Confira as 10 coisas que você precisa saber sobre hipertensão arterial:

 

1.  A hipertensão, ou pressão alta, acontece quando a pressão arterial, após ser

medida por diversas vezes, é igual ou superior a 14 por 9. Isso acontece porque

os vasos por onde o sangue circula se contraem e fazem com que a pressão do

sangue se eleve. Ela é considerada normal quando a pressão sistólica (máxima)

não ultrapassa 130 mmHg e a diastólica (mínima) é inferior a 85 mmHg.

2. A pressão arterial pode variar durante o dia. A tendência é que ela diminua

quando estamos dormindo e aumente quando realizamos esforço físico. Estas

situações não querem dizer que você seja necessariamente um hipertenso, mas o

acompanhamento médico é sempre importante nesses casos.

3.  As pessoas acreditam que a pressão arterial só está alterada quando elas ficam

ruborizadas, com raiva, tensas ou animadas. Isso é um tabu. Embora seja

possível que isso aconteça, na maioria dos casos, a hipertensão não produz

sintomas óbvios.

4. A hipertensão, na maioria das vezes, é uma herança genética. Entretanto, pode

ser desencadeada por hábitos de vida como: obesidade, ingestão excessiva de sal

ou de bebida alcoólica e inatividade física.

5. Ela não tem cura, mas pode e deve ser controlada. O tratamento contínuo pode

evitar futuros infartos do coração, derrames e paralisação dos rins. Ele deve ser

feito através de remédios controladores da pressão e hábitos saudáveis (diminuir

a quantidade de sal na alimentação, bebidas alcoólicas, controlar o peso, fazer

exercícios físicos, evitar o fumo e controlar o estresse).

6. Qualquer pessoa pode medir a pressão, desde que esteja apta para isso. Mesmo

assim, os profissionais de saúde são os mais indicados. Para medir a própria

pressão é preciso estar em ambiente calmo, após repouso de 5 minutos, com o

braço no qual fará a medição apoiado em uma mesa na altura do coração, as

costas apoiadas na cadeira e os pés encostados no chão. A bexiga deve estar

vazia e a pessoa não pode ter fumado, se alimentado ou ingerido café pelo

menos 30 minutos antes da medida.

7. Existem pessoas que só têm pressão alta quando esta é medida em consultório

médico. Fora do consultório, ela é normal. É a chamada síndrome do avental

branco. Para saber se existe esse tipo de hipertensão, o médico precisa conhecer

a pressão do paciente no consultório e a pressão medida na casa do paciente ou

adotar a monitorização ambulatorial, que mede a pressão durante 24 horas com

aparelho automático.

8. O sal pode interferir no aumento da pressão arterial, já que ele faz o corpo reter

mais líquidos. Porém, não existe a necessidade de os hipertensos se alimentarem

apenas de comida sem sal, basta evitar o exagero. Quem tem pressão alta deve

ficar atento, também, a alimentos ricos em sódio, como os refrigerantes “zero

açúcar”, além de conservas (picles, zeitona, maionese e ervilha), alimentos

embutidos (salsicha, mortadela, lingüiça, presunto, salame e paio), carnes

salgadas (bacalhau, charque, carne-seca e defumados) queijos em geral, dando

preferência a queijo branco ou ricota sem sal.

9. A prática de exercícios físicos ajuda a baixar a pressão. O exercício físico

adequado não apresenta efeitos colaterais e traz vários benefícios para a saúde,

tais como ajudar a controlar o peso e a pressão arterial, diminuir as taxas de

gordura e açúcar no sangue, elevar o “bom colesterol”, diminuir a tensão

emocional e aumentar a auto-estima. De qualquer maneira, deve-se sempre

seguir orientação médica na hora de praticar exercícios físicos.

10. A maioria das pessoas tem a pressão ligeiramente diferente em cada braço, por

isso, para manter um controle adequado dos seus níveis é preciso que a medição

seja efetuada sempre no mesmo braço e nas mesmas condições contidas no item

6 desta listagem.


 

Texto: Pablo de Moraes

Fontes: Ministério da Saúde, Sociedade Brasileira de Hipertensão e livro: O Guia

Essencial da Hipertensão, da Associação Médica Americana.